domingo, outubro 15, 2017

Vantagens da juventude e não só

Nem o amor do público nem a vitória faltaram à Selecção. O resultado foi o que se pretendia e a exibição não desmereceu o apoio daquela gente toda que foi ao futebol na terça-feira e que não se calou durante 90 minutos. Já para os apologistas das claques – daquelas claques "legalizadas" com o fino intuito de dar cultura às massas – faltou uma coisa. É que desta vez não houve Macaco em modo patriótico e oficial como houve no Portugal-Hungria no último mês de Março e no Europeu de França em 2016. Não se sabe, no entanto, se a ausência do doutor Madureira na bancada da Luz resultou de uma instância do Benfica ou de uma disposição da FPF ou de um capricho da PSP ou até – quem sabe? – de uma exigência da Madonna.
As contas dos grandes clubes de futebol são exercícios vultuosos e nada fáceis de interpretar pelo cidadão vulgar. Se, eventualmente, o cidadão vulgar for um adepto vulgar de um grande clube de futebol logo terá a tentação de ver nos balancetes da sua cor aqueles sucessos admiráveis garantindo amanhãs que cantam, enquanto nos balancetes das cores dos outros só verá sinais claros de tragédias. O FC Porto foi o último dos clubes grandes de Portugal a apresentar a suas contas e fê-lo na quinta-feira passada pela voz autorizada do seu administrador Fernando Gomes, o antigo presidente da Câmara Municipal do Porto e não o Bi-Bota de Ouro nem, muito menos, o actual presidente da Federação Portuguesa de Futebol. Para um adepto portista que se preze foi de tal modo empolgante a notícia da compra dos 60% que faltavam para que o passe de Aboubakar fosse 100% pertença do FC Porto que a outra notícia do dia – justamente a apresentação das contas da SAD do clube pelo antigo presidente da Câmara Municipal do Porto – passou totalmente despercebida e, por um lado, ainda bem. É precisamente para isto que servem as agências de comunicação.
Portanto, sobre as contas do FC Porto nada há a dizer. Já sobre uma explicação fornecida por Fernando Gomes – atribuindo "o momento actual" à prática passada de assinar "contratos insuportáveis com jogadores" – não pode deixar de ficar instalada uma dúvida. Estará implícita nas palavras do administrador financeiro do FC Porto uma crítica mordaz à anterior administração do clube sendo que a anterior administração propriamente dita foi a presidida por Américo de Sá no século passado?
Hoje é dia de Taça de Portugal para o Benfica que é o seu legítimo detentor. Diz a imprensa que vai acontecer em Faro a estreia de um rapazinho belga de 18 anos naquele posto de maior importância que é o de guarda-redes. Substituir Ederson não é fácil para ninguém mas, neste caso, a tenra idade pode ser uma vantagem porque serve como atenuante. Sejam gentis.



Fonte: Leonor Pinhão @ Record

sábado, outubro 14, 2017

Benfica na TV - 2017/10/14

Sáb, 2017/10/15
 - 15:00 - Basquetebol - Terceira Basket -v- SL Benfica - Campeonato Nacional - Jornada 3 
 - 15:00 - Râgueby  - SL Benfica -v- CF Belenenses - Campeonato Nacional - Jornada 2 
 - 15:00 - Voleibol - SL Benfica -v- Vitória SC - Campeonato Nacional - Jornada 2
 - 18:30 - Futsal femininos - SL Benfica -v- ARCD Venda da Luísa - Campeonato Nacional - Jornada 4 
 - 19:00 - Futebol - Olhanense -v- SL Benfica - Taça de Portugal
  
  
Dom, 2017/10/16 
 - 15:00 - Andebol - Gwardia Opole -v- SL Benfica - EHF Cup  - Jogo 2 
 - 16:30 - Basquetebol - SC Lusitânia -v- SL Benfica - Campeonato Naciona - Jornada 7 
 - 16:30 - Hóquei femininos - SL Benfica -v- UDC Nafarros - Campeonato Nacional - Jornada 1 
 - 18:00 - Futsal  - SL Benfica -v- Leões de Porto Salvo - Campeonato Nacional - Jornada 6 
 - 19:30 - Basquetebol - SL Benfica -v- GDESSA Barreiro - Campeonato Nacional - Jornada 3 


Qua, 2017/10/18
 - 15:00 - Futebol - SL Benfica -v- Man United - UEFA Youth League - Liga dos Campeões - Grupo A Jogo 3
 - 17:30 - Basquetebol - SL Benfica -v- BC Nevezis - Fiba Europe Cup - Grupo B
 - 19:45 - Futebol - SL Benfica -v- Man United - Liga dos Campeões - Grupo A Jogo 3


Qui, 2017/10/19
 - 19:30 - Andebol - SL Benfica -v- Sporting CP - Campeonato Nacional - Jornada 7 



Desporto de fim de semana - 2017/10/14

Futebol 
Sáb, 2017/10/14
 - 12:30 - Liverpool -v- Manchester United - Premier League 2017/18 (SportTv3)
 - 14:30 - Bayern München -v- SC Freiburg - 1. Bundesliga 17/18 (SportTv1)
 - 15:00 - Manchester City -v- Stoke City - Premier League 2017/18 (SportTv3)
 - 15:15 - Getafe -v- Real Madrid - Liga Espanhola 17/18 (SportTv2)
 - 15:30 - Inglaterra -v- Iraque - Campeonato do Mundo Sub-17 2017 (Eurosport1)
 - 16:00 - Dijon -v- Paris SG - Ligue 1 17/18 (SportTv5)
 - 17:00 - Juventus -v- Lazio - Serie A 2017/18 (SportTv1)
 - 17:30 - Borussia Dortmund -v- RB Leipzig - 1. Bundesliga 17/18 (SportTv4)
 - 17:30 - Watford -v- Arsenal - Premier League 2017/18 (SportTv3)
 - 19:00 - Olhanense -v- Benfica - Taça Portugal 17/18 (SportTv1)
 - 19:30 - Crystal Palace -v- Chelsea - Premier League 2017/18 (SportTv3)
 - 19:45 - Atlético Madrid -v- Barcelona - Liga Espanhola 17/18 (SportTv2)
 - 19:45 - Roma -v- Napoli - Serie A 2017/18 (SportTv4)

Dom, 2017/10/15
 - 15:00 - Gwardia Opole -v- Benfica - EHF Cup 17/18 (Q) (BTv)
 - 17:55 - VVV-Venlo -v- PSV - Holland 17/18 (SportTv3)
 - 18:00 - Benfica -v- Leões Porto Salvo - Liga SportZone 17/18 (TVI24)
 - 19:45 - Internazionale -v- Milan - Serie A 2017/18 (SportTv3)

Ter, 2017/10/17
 - 15:00 - Monaco -v- Besiktas - UEFA Youth League 17/18 (SportTv2)
 - 17:00 - Real Madrid -v- Tottenham - UEFA Youth League 17/18 (SportTv2)
 - 19:45 - Monaco -v- Besiktas - LC 2017/2018 (SportTv4)
 - 19:45 - Maribor -v- Liverpool - LC 2017/2018 (SportTv5)
 - 19:45 - Manchester City -v- Napoli - LC 2017/2018 (SportTv3)
 - 19:45 - Real Madrid -v- Tottenham - LC 2017/2018 (SportTv2)
 - 21:40 - APOEL -v- Borussia Dortmund - LC 2017/2018 (SportTv2)

Qua, 2017/10/18
 - 13:00 - Chelsea -v- Roma - UEFA Youth League 17/18 (SportTv2)
 - 15:00 - Bayern München -v- Celtic - UEFA Youth League 17/18 (SportTv2)
 - 15:00 - Benfica -v- Manchester United - UEFA Youth League 17/18 (SportTv1)
 - 15:00 - Juventus -v- Sporting - UEFA Youth League 17/18 (SportTv2)
 - 17:00 - Karabakh -v- Atlético Madrid - LC 2017/2018 (SportTv2)
 - 19:45 - Chelsea -v- Roma - LC 2017/2018 (SportTv4)
 - 19:45 - Benfica -v- Manchester United - LC 2017/2018 (SportTv2)
 - 19:45 - Juventus -v- Sporting - LC 2017/2018 (SportTv1)
 - 19:45 - Anderlecht -v- Paris SG - LC 2017/2018 (SportTv5)
 - 19:45 - Barcelona -v- Olympiacos - LC 2017/2018 (SportTv3)
 - 21:40 - Bayern München -v- Celtic - LC 2017/2018 (SportTv2)

Qui, 2017/10/19
 - 18:00 - Crvena Zvezda -v- Arsenal - Europa League 2017/18 (SportTv1)
 - 19:30 - Benfica -v- Sporting - Andebol 1 17/18 (BTv)
 - 20:00 - Real Madrid -v- CSKA Moskva - Euroliga Basquetebol 17/18 (SportTv4)
 - 20:05 - Milan -v- AEK - Europa League 2017/18 (SportTv2)




Ténis
Sáb 2017/10/15
 - 09:30 - ATP - Rafael Nadal (1,15€) -v- Marin Cilic (3,28€) - Shanghai Rolex Masters
 - 13:00 - ATP - J. M. Del Potro (3,17€) -v- Roger Federer (1,16€) - Shanghai Rolex Masters
 - 13:00 - WTA - M. Buzarnescu (2,73€) -v- B. Strycova (1,24€) - Linz, Áustria
 - 14:15 - WTA - M. Rybarikova (1,31€) -v- V. Golubic (2,41€) - Linz, Áustria
 - 07:10 - WTA - Brady J. (Usa) -v- Gavrilova D. (Aus) - (0 : 2)- Hong Kong
 - 08:50 - WTA - Wang Q. (Chn) -v- Pavlyuchenkova A. (Rus) - Hong Kong
 - 07:10 - WTA - Sharapova M. (Rus) -v- Peng S. (Chn) - (2 : 0) - Tianjin, China
 - 05:10 - WTA - Errani S. (Ita) -v- Sabalenka A. (Blr) - (0 : 2) - Tianjin, China

Dom, 2017/10/15
 - 04:00 - WTA - Sharapova M. (Rus) -v- Sabalenka A. (Blr) - Tianjin, China


Mostra! Mostra! Mostra!

No último mês, os diretores de comunicação dos três "grandes" deram longas entrevistas à imprensa da especialidade enriquecendo os respetivos portfolios com mais material embora muito material seja repetido. Ou não será assim em algum ou alguns dos casos? "Mais uma profissão arruinada por amadores", diria provavelmente aquele velho e cínico jornalista americano Alexander Woolcott se ainda fosse vivo e se se interessasse minimamente pelas arenas do futebol português. Deixemos, portanto, a alma de Wollcott pairar em paz num qualquer recanto do bar do Hotel Algonquin, onde o seu proprietário se divertiu até mais não e em excelente companhia durante a década de 20 do século passado na cidade de Nova Iorque. E já que se vai falando de almas e dos seus legítimos proprietários – pois não é verdade que nos é dada uma alma mal nascemos? –, virá muito a propósito reconhecer que a entrevista do diretor de comunicação do Sporting bateu intelectualmente e sob todos os aspetos anímicos as entrevistas dos seus congéneres rivais. 

Nuno Saraiva explicou por palavras muito suas que o grande problema do pequeno Octávio Machado é que o seu corpo quer "ser do Sporting" mas a sua alma "é do Jorge Jesus". E, dito isto, logo avançou no seu discurso com uma mensagem em cifra: "Era bom que parasse." A questão aqui é só uma: mas "era bom" para quem? Se Octávio "parasse" – com o que quer que seja que ande a fazer – seria bom para o Sporting ou para Jesus ou para Octávio ou para o próprio diretor de comunicação do clube? Ficou por esclarecer. 

Qualquer tipo de confronto entre Nuno Saraiva e Octávio Machado dificilmente poderá não ser encarado pela plateia como uma espécie de concurso de minitrampolim sendo certo que o vencedor será sempre Octávio porque salta muito mais alto, é infinitamente mais experiente e é bem mais gracioso, enquanto Saraiva se esforça como se não houvesse amanhã mas abusa nas piruetas. Aprecie-se, por fim, este último desenho figurativo do "palmelão" que é ícone do futebol português: "Nunca pensei que causasse tanta alergia dizer bem do Jesus. Se quisesse acabar com isto, mostrava as SMS’s que tenho no meu telemóvel. Vou mostrar um dia destes..." E logo gritou o público que vibra com estes concursos: - "Mostra! Mostra! Mostra!" 
Mas Octávio não vai mostrar. Se há profissão que Octávio não pretende arruinar é a de comentador oficial com prerrogativa de escolha de órgão de comunicação social, tal e qual como o presidente do Sporting tão bem explicou recentemente ao país. 



Cristiano Ronaldo e os impossíveis 
Se o Real Madrid ‘sem ele’ se vê aflito maior é o mérito da Seleção 
A abrir: 1 derrota. Depois: 9 vitórias. Foi este o singular percurso da Seleção nesta última campanha. Na realidade, não foi tão singular assim porque a Suíça fez exatamente o mesmo mas ao contrário. Nove vitórias e, a fechar, uma derrota. Verdadeiramente singular foi o caminho da Alemanha: 10 jogos, 10 vitórias. Igual a isto, ninguém fez. Sabendo-se como os alemães levam as coisas todas muito a sério não é de espantar o imaculado da sua série. Também não espantará muita gente o facto de a única derrota portuguesa ter acontecido numa ocasião em que Cristiano Ronaldo não pôde dar o seu contributo à equipa. Talvez tenha sido por isso que, sem ele, perdemos na Suíça o jogo inaugural. Ou talvez não, porque foi "sem ele" desde a meia hora de jogo que se venceu a França no prolongamento da final do Europeu de 2016. Mas, sabendo como o Real Madrid "sem ele" se vê aflito, maior é o mérito da nossa Seleção que, com ele ou sem ele, lá vai conseguindo o que quer. E quer muito.



Fonte: Leonor Pinhão @ correio da manha

sexta-feira, outubro 13, 2017

Profecias do diabo

E então o profeta Pedro disse: “E antes de passarem sete dias e sete noites virá o Diabo, sob a forma de uma conjuntura económica extremamente adversa, motivada por diversos factores, designadamente um sobreendividamento resultante da devolução das reformas e dos salários. E nessa altura haverá pranto e ranger de dentes, e a danação será completa.” Mas, naquele tempo, alguns habitantes da Judeia liam a imprensa económica. E, nem que fosse por desfastio, gostavam de confrontar Pedro com os chamados indicadores. Um dia, alguém lhe disse: “Ó Pedro, mas olha que o PIB está a subir.” E Pedro disse: “E não é de admirar, porquanto o próprio Satanás se disfarça em anjo de luz. E o Senhor castigará todos os que acreditarem em subidas de índices, pois terão preferido acreditar no que os seus olhos vêem, em lugar de crerem na palavra do Senhor.” E alguém disse: “Qual Senhor, Pedro?” E Pedro redarguiu: “O Senhor Schäuble. Ele também já anunciou a vinda do Diabo.”

E passaram alguns meses. E então, um trabalhador a quem tinha sido devolvido o 13º mês disse: “Ó Pedro, já passaram sete dias e sete noites e não veio diabo nenhum, pá.” E Pedro disse: “Em verdade vos digo que o Diabo virá, e o seu rosto será o desemprego.” E o trabalhador disse: “Olha que não, porque o desemprego caiu para valores abaixo de 9%, que aliás é o melhor resultado dos últimos nove anos.” E Pedro disse: “Mas Satanás virá, e o seu nome será falta de investimento estrangeiro, por causa do receio que os mercados nutrem dos comunistas.” E o trabalhador respondeu: “É pouco provável, porque a Standard and Poor’s acaba de retirar Portugal do lixo”.

E Pedro disse: “Mas o Demónio virá, até porque já se suicidou uma pessoa em Pedrógão.” E o trabalhador retorquiu: “Não suicidou, não. Ó Pedro, tu tens tanto jeito para profecias como para formar empregados aeroportuários.” E Pedro resmungou qualquer coisa e, como estava entretido com as profecias, acabou por escolher os candidatos autárquicos um bocadinho à balda. E então realizaram-se eleições, e o povo depositou os votos nas urnas, conjugando milagrosamente os deveres cívicos com a vontade de ir à bola. E por volta das 20h00, altura em que encerraram as assembleias de voto nas ilhas, as televisões anunciaram as primeiras projecções e o PSD tinha cerca de metade dos votos do CDS em Lisboa. E então bateram à porta e Pedro foi abrir. Era o Diabo. E o Mafarrico disse: “Chamaste?”



Fonte: Ricardo Araújo Pereira @ Visão

domingo, outubro 08, 2017

Menos 'isto' e mais 'equipa'

É precisamente pela mesma a razão que andam tão satisfeitos os adeptos do City e tão insatisfeitos os adeptos do Benfica. A razão tem um nome completo, chama-se Ederson Santana de Moraes. Os de Manchester vivem encantados com o seu novo guarda-redes e não se cansam de partilhar alguns dos muitos soberbos momentos com que têm vindo a ser contemplados pelo internacional brasileiro no seu ano de estreia no futebol inglês. Os da Luz, no extremo oposto da escala da satisfação, digerem com enorme dificuldade a saída de Ederson que foi, provavelmente, o jogador mais valioso que passou pelo Benfica nos últimos largos anos.

Por "valioso" não se entenda a soma considerável pelo qual foi vendido no último mercado de Verão mas a sua capacidade prática em termos de assegurar séries imensas de resultados positivos. Ninguém duvida de que a arte de Ederson contribuiu de modo decisivo para os títulos conquistados pelo Benfica na temporada e meia em que foi titular sem discussão da baliza encarnada. Terá até contribuído mais para o "tri" e para o "tetra" o incrível registo de defesas "de golo" assinadas por Ederson do que, por exemplo, o incrível registo do número golos marcados nas balizas adversárias levando a marca de autor do excepcional Jonas. Aliás, no esplendor dos seus 33 anos, Jonas continua a marcar golos em quase todos os jogos em que alinha pelo Benfica. Jonas é uma máquina. Benfiquistas, não embirrem com o Jonas. Melhor dito, benfiquistas, não embirrem com ninguém. Vamos mas é atirar-nos à Taça de Portugal quando passar esta coisa da selecção. Depois, logo se verá.

Grimaldo voltou a jogar depois de mais um período entregue a cuidados médicos e a verdade é que tem demorado a reencontrar-se consigo próprio e com a equipa. Grimaldo é um lateral-esquerdo de qualidade muito acima da média, é um facto. O outro facto é que se tem visto pouco a jogar nestes dois primeiros meses da temporada. E é pena. Já a falar tem estado bem. Ainda esta semana, na ressaca do empate consentido no Funchal, disse o espanhol em defesa própria e dos colegas: "Isto é uma equipa unida". É justamente essa a questão. Menos "isto" e mais "equipa" é o que se quer.

A demagogia em torno das chamadas claques segue imparável. O Porto insurgiu-se oficialmente contra uma possível suspensão do líder da sua claque em consequência dos cânticos humorísticos – sim, humorísticos – entoados pelos Super Dragões a propósito da tragédia da Chapecoense. O Porto considera qualquer penalização a Fernando Madureira como um verdadeiro escândalo visto que "o cântico não foi da autoria da claque". Ora aqui está um caso para a Sociedade Portuguesa de Autores resolver quando se pensava que seria um caso para uma qualquer outra entidade de cariz menos intelectual apreciar.



Fonte: Leonor Pinhão @ Record

sábado, outubro 07, 2017

Tem havido progresso

O vice-presidente da mesa da Assembleia Geral do Benfica passou um mau bocado na última reunião magna dos sócios do clube da Luz. O acontecimento, que se previa corriqueiro antes das derrotas com o CSKA, o Boavista e o Basileia e antes deste último empate com o Marítimo, ficará para a história como a assembleia das cadeiras pelo ar tendo em conta que, de facto, houve mesmo cadeiras voando como exibição prática - um tanto excessiva, é verdade - de um certo descontentamento de alguns associados pela carreira da equipa que se tem excedido em maus resultados fazendo com que a demonstração e a aprovação das boas contas da SAD fossem completamente submersas pela onda da insatisfação popular. 

Acontece assim por todo o lado, mas quando acontece no Benfica é sempre especial, porque o Benfica é o maior clube português. Duque Vieira, é assim que se chama o vice-presidente da mesa da AG do Benfica, veio a público dias depois da dita assembleia para deitar água na fervura com palavras de bom senso e, no seu bondoso esforço, saiu-se com uma frase tão bonita quanto especialmente verdadeira: "Temos uma claque maravilhosa!". 

Tal como em qualquer hipermercado, ou em qualquer grande superfície do género, logo surge junto à caixa 4  – e, por regra, fardado e ofegante – o diligente empregado que respondeu correndo ao apelo do altifalante que convocava com urgência "o funcionário da padaria à caixa 4", também o diretor de comunicação do Sporting correu para o seu discreto posto de trabalho mal ouviu o superior chamamento vindo do outro lado da 2ª Circular. Tudo isto porque, ao contrário do que seria de esperar, não é o Sporting que é tematicamente o seu ganha-pão. Tematicamente, o seu ganha-pão é o Benfica. 

Considerou, portanto, o funcionário da padaria em sentido figurado que, em sentido literal, estava o já citado dirigente do Benfica a confessar que o Benfica tinha uma claque ilegal. E disse: "Afinal têm claques ou não?". Têm, pois. Embora o significado da palavra ‘claque’ já não remeta para o teatro do século XIX quando se contratavam pessoas para bater palmas ou para não bater palmas – consoante os interesses do pagador – ainda vai remetendo a mesma palavra ‘claque’ para os aficionados amadores de espetáculos desportivos que até pagam o que for preciso para bater palmas ou não bater palmas aos seus clubes de futebol prediletos. 

A diferença moderna está em pagar ou não pagar, e nem sempre foi assim. Há dois mil anos, em Roma, o imperador Nero não abria a boca para cantar se não tivesse diante de si uma plateia de quinhentos soldados das suas legiões e os coitados estavam lá por obrigação. Neste capítulo tem havido progresso. 



Uma falha na realização da SPORT TV 
Coroando com a sua respeitabilidade a cerimónia em curso    
O Sporting-FC Porto foi um jogo intenso e de qualidade. O clássico de Alvalade teve transmissão a cargo da SPORT TV e a realização televisiva, como vem sendo regra, esteve ao nível das mais altas expectativas que sempre rodeiam estes transes do futebol. 

Foi, necessariamente, uma câmara indiscreta da SPORT TV que, decorrendo o intervalo do jogo, conseguiu descobrir lá pelo relvado aquele momento especial em que Adrien recebia os aplausos de gratidão das bancadas tendo unicamente ao seu lado a mais alta figura da hierarquia da casa disponível para a ocasião, o roupeiro Paulinho. 

Já no minuto de silêncio em memória do árbitro José Pratas falhou rotundamente a realização da SPORT TV ao não nos mostrar, a nós, os seus assinantes, a imagem de Estado que se impunha: os presidentes do Sporting e do FC Porto lado a lado coroando com a sua respeitabilidade a cerimónia em curso. 

Isto porque pedir um grande plano de Pinto da Costa nessa ocasião, enfim, já era pedir demais.



Fonte: Leonor Pinhão @ correio da manha

Rerum esquisitum

Um grupo de teólogos conservadores acusou o Papa Francisco de heresia. Era previsível. O Papa tem dito coisas que fazem certos crentes benzerem-se – o que constitui uma operação teológica bastante paradoxal, em que o Papa simultaneamente estimula o comportamento moral e imoral. Mas também era previsível porque o ambiente geral é de identificação e condenação de heresias. Teólogos laicos igualmente puritanos já tinham acusado Chico Buarque de machismo e Ney Matogrosso de homofobia. Era uma questão de tempo até que teólogos religiosos acusassem o Papa de heresia.

Do ponto de vista teológico, a atitude destes últimos é mais arriscada: os teólogos laicos que acusaram Chico Buarque de machismo e Ney Matogrosso de homofobia limitaram-se a ir contra as evidências – e este tipo de teólogo nunca permitiu que as evidências modificassem a sua acção. Mas os teólogos que acusam Francisco de heresia estão em choque com um dogma. E o dogma tem, sobre as evidências, a grande vantagem de não precisar de ser evidente para se impor. Sucede que a infalibilidade papal é um dogma. Quando o Santo Padre faz deliberações em assuntos de moral e fé (que são as matérias que os teólogos contestam), nunca erra. 
A razão para isso é difícil de contestar: quando trata desses temas, o Papa é assessorado pelo Espírito Santo. Os teólogos que o acusam de heresia estão, por isso, a acusar de herege o Espírito Santo. É frequente depararmos com situações em que alguém é mais papista do que o Papa. Mas julgo que é a primeira vez que alguém é mais espiritosantista que o Espírito Santo.

Entre outras coisas, o Papa manifestou abertura para saber se os católicos divorciados que voltam a casar poderiam, contrariamente ao que se permite agora, voltar a comungar. Ter-se-á passado o seguinte: o Espírito Santo, tomando em consideração as mudanças sociais ocorridas nos últimos dois mil anos, terá segredado ao Papa que talvez não fizesse sentido manter proibições um bocadinho retrógradas. O Papa, tomando boa nota da sugestão do seu assistente, e provavelmente concordando com ela, resolveu levantar a questão. Foi então que vários teólogos, mentalmente menos jovens do que o Espírito Santo, se opuseram à medida. O Espírito Santo, segundo eles, não percebe nada das coisas sagradas. Como ateu, não saberia pronunciar-me. Mas talvez possam ter razão. Que o Papa seja dado a heresias é estranho, mas possível. Pelo menos mais provável do que a homofobia do Ney Matogrosso.



Fonte: Ricardo Araújo Pereira @ Visão

domingo, outubro 01, 2017

Dr. Gomes, Dr. Madureira e o ódio

Vive o futebol português num exótico estado de anarquia institucional. Os episódicos apelos à normalidade do funcionamento das instituições e à urbanidade dos seus representantes e responsáveis são liminarmente encarados como meros contributos para o vasto anedotário que se impôs triunfante em todas as agendas de comunicação. E o problema das anedotas é que, pela sua natureza, dificilmente se podem levar a sério. Tomemos o exemplo recentíssimo do último sorteio de jogos a contar para a Taça de Portugal. Nas vésperas da cerimónia surgiu ao público o líder ideológico do Canelas fazendo votos para que o dito sorteio lhe colocasse o Benfica no caminho apontando razões que os organismos internacionais que superintendem a indústria – UEFA e FIFA – condenam, punem e lutam por erradicar. "Pelo ódio que tenho por eles e para lhes fazer a vida negra", explicou-se o doutor Madureira que é o orgulho cívico do nosso desporto-rei, o orgulho do ensino universitário nacional e ainda, por todas estas razões, o recrutado chefe de claque da Selecção Nacional. "Seria um jogo em que iríamos transformar em força todo o ódio que temos por eles", acrescentou à laia de tese e como quem responde, do alto da sua cátedra, ao último apelo à normalidade balbuciado por escrito pelo presidente da FPF.

O "ódio", portanto. E o "ódio" não é, de facto, uma anedota. O que será uma anedota é a FPF, a quase secular organizadora da distinta competição, permitir sem um reparo a presença do Canelas no sorteio da Taça de Portugal depois de o doutor Madureira ter apelado à luta pelo ódio como quem se está nas tintas para o doutor Fernando Gomes, o presidente da FPF, que apelou à luta contra o ódio há coisa de duas semanas. Uma leitura atenta dos regulamentos internacionais resolveria num ápice este tipo de situações que só germinam e florescem quando a autoridade é fraca. Neste caso, fraquíssima.

O maior problema do Benfica – sim, o Benfica vive um problema – é o relaxamento provocado pela conquista notável do seu quarto título consecutivo de campeão nacional. O objectivo do ‘tetra’ foi perseguido e levado de vencida com um espírito de luta como se não houvesse amanhã. Mas há amanhã. Quando se trata de futebol, amanhã é hoje. E se a adrenalina que movia o tetracampeão se esgotou nos últimos festejos no Marquês terá o Benfica obrigatoriamente de reinventar para si próprio novos desígnios nunca antes alcançados como, por exemplo, aquela coisa do ‘penta’. E até a Liga Europa, se lá chegarmos.

O desaparecimento de Pinto da Costa explica-se facilmente tendo em conta que o seu emblema está a entrar no seu quinto ano consecutivo sem nada ganhar. E, neste caso, nada é nada. Zero total. Para o presidente do FCP vir à tona é preciso um êxito episódico como foi o do Mónaco. E lá veio esta semana à tona para afirmar que o Porto "é o baluarte do Norte contra o centralismo". Em artes da comunicação o Francisco J. Marques dá-lhe 10-0 ao intervalo."



Fonte: Leonor Pinhão @ Record

sexta-feira, setembro 29, 2017

O problema é lá chegar

Pode parecer que não, mas, na realidade, houve aspetos muito positivos na última exibição do Benfica na Europa. O grego Samaris, por exemplo, esteve em campo no último quarto de hora do jogo e cumpriu com excelência a missão de que foi incumbido: não só não foi expulso como também impediu com o seu esforço que o "score" atingisse proporções que pusessem em risco o marco histórico registado em 1999 em Vigo. Com Samaris em campo em Basileia, o Benfica sofreu apenas 1 golo e a coisa ficou-se modestamente pelos 5-0. No entanto, esteve bem à vista a reabilitação moral da equipa que se viu trucidada na Galiza no derradeiro ano do velho século XX. Duas bolas nos postes de Júlio César e uma soberba intervenção do guarda-redes brasileiro a roubar o golo a Van Wolfswinkel nos minutos finais garantiram a Rui Vitória que o pior resultado de sempre da história europeia do Benfica continua a ser aquele que o seu colega Jupp Heynckes trouxe da funesta viagem aos Balaídos há 18 anos. 

Outro aspeto encorajador desta última viagem internacional dos tetracampeões nacionais é a certeza de que, para bem dos seus pecados, o Benfica não joga em 2017/2018 no campeonato suíço. É que o registo de confrontações com o poderio helvético começou a descambar logo na pré-temporada, com uma exótica goleada sofrida perante a equipa dos Young Boys de Berna. Somando esses 5-1 de julho a estes 5-0 de setembro, é caso para se dizer que não há como a velha neutralidade suíça para neutralizar por completo o estatuto e as ambições do maior emblema de Portugal. 

Mas há mais ilações positivas a tirar do jogo de quarta-feira. A questão das bolas nos postes, por exemplo. Chegou o Benfica à Suíça detendo o inóspito recorde de ter atirado 10 bolas aos ferros nos primeiros 10 jogos oficiais da temporada. O presente transe resolveu-se a bem em Basileia, embora de um modo radical que pode não ter agradado a uma imensa maioria de adeptos. Em 90 minutos, conseguiu o Benfica desfazer a maldição dos postes limitando-se estrategicamente a não rematar uma única vez à baliza à guarda do simpático Vaclik e, assim, se deu por encerrado o assunto com eficácia e prontidão. 

Temos, portanto, um Benfica com zero pontos à segunda jornada do seu grupo da Liga dos Campeões e com a perspetiva de ter ainda de jogar duas vezes com o Man. United, de ter de ir a Moscovo e, mais difícil ainda, de ter de receber em sua casa o mesmo Basileia, esse portento helvético. E também aqui se vislumbra um repto positivo: a Liga Europa, uma provazinha mais à medida das nossas capacidades. O problema é lá chegar. 



Outras Histórias 
Só houve Benfica fora das quatro linhas 
A bater palmas aos adeptos esteve bem a equipa de Rui Vitória Verdade, verdadinha, em Basileia só houve Benfica fora das quatro linhas. E diga-se que a prestação dos dez mil benfiquistas nas bancadas do St. Jakob-Park foi de se lhe tirar o chapéu. A soma dos milhares de quilómetros que toda aquela gente percorreu até chegar ao seu lugar na bancada e a soma dos outros tantos milhares de quilómetros feitos no regresso a casa são a expressão máxima do amor e do querer dos adeptos que não olham a sacrifícios para comparecer onde a sua voz for precisa. E que voz. Aos 3-0, ouviam-se puxando pela equipa como se nada de catastrófico se estivesse a passar. E estava. Aos 5-0, continuavam a fazer ouvir-se, merecendo as atenções e a homenagem da realização da transmissão televisiva que lhes concedeu um merecidíssimo protagonismo pelo seu exemplo de fé nos instantes finais da coisa. No fim de tudo, viram-se aplaudidos pelo público da casa e pelos jogadores do Benfica. Aí, sim, a bater palmas aos adeptos esteve bem a equipa de Rui Vitória. 


Fonte: Leonor Pinhão @ correio da manha