sábado, julho 29, 2017

Com três centrais, não!

Falta uma semana para tudo voltar a ser a sério. Já não era sem tempo. O defeso passou-se como se passam todos os defesos. Entre a monotonia e a saudade das emoções, e mais uns quantos sentimentos mornos salpicados de promessas bélicas a anunciar o que está para vir de agosto até maio de 2018. Jogadores e treinadores estiveram de férias mas os departamentos de comunicação dos três candidatos ao título não pararam nem para dar um mergulho rápido na água do mar que tudo refresca, até as ideias. Prosseguiu, assim, em tons ameaçadores, o diálogo institucional entre os grandes de Portugal. Estas chinfrineiras pagam-se lamentavelmente. 

O diretor de comunicação do FC Porto, por exemplo, anunciou na semana passada que "o melhor está para vir" e logo no dia seguinte o presidente do clube sofreu uma queda aparatosa que o remeteu para o leito de um hospital. O presidente do Sporting também foi notícia porque se casou, o que, convenhamos, não tem nada de francamente especial, e o presidente do Benfica só conseguiu ser notícia porque entrou em campo à frente da equipa no primeiro dia do estágio em Inglaterra, um acontecimento menor que lhe outorga o título do menos mediático dos três sensacionais presidentes em concurso. 

A época oficial de 2017/18 arranca no próximo fim de semana com a discussão da Supertaça, que opõe o campeão nacional ao finalista vencido da Taça de Portugal. Terá, portanto, o Benfica de vencer o V. Guimarães se quiser continuar a sua impressionante soma de títulos e se pretender continuar a ser veementemente acusado de domínio hegemónico em Portugal. É com isso que os benfiquistas contam e é contra isso que a equipa de Pedro Martins se vai debater de hoje a uma semana em Aveiro. 

Para preparar o confronto com os campeões de Portugal escolheu o V.Guimarães ter neste defeso por adversários o FC Porto e o Sporting, duas equipas do top interno, tendo-se saído mal no jogo com os primeiros e muitíssimo bem no jogo com os segundos. A equipa técnica do Benfica observou, certamente, com muita atenção o evoluir da formação vitoriana – sempre um rival que mete respeito – desde o primeiro dia da chamada pré-época e terá chegado, pelo menos, a uma conclusão pertinente: é de todo desaconselhável jogar contra o V.Guimarães com uma linha de 5 defesas contando com 3 centrais. Foi o que fez o Sporting e viu-se o que aconteceu. 

Se não fosse o árbitro ter mostrado um cartão vermelho a Coates impondo com bom senso, mas à força, o regresso a uma linha defensiva mais clássica, ninguém sabe a que volume teria chegado o ‘score’ final. Foi este o fulminante recado deixado a Rui Vitória depois de Rio Maior: com 3 centrais, não! 



Geraldes e o problema de ler em pleno horário de trabalho    
O gosto pela leitura é uma bênção e ninguém considerará que a profissão de futebolista é incompatível com o prazer dos livros. Bem esteve o marketing do Rio Ave ao anunciar Francisco Geraldes como um dos seus para 2017/2018 através da imagem de um exemplar de ‘Ensaio Sobre a Cegueira’ de Saramago semi-envolvido numa camisola vila-condense. Foi este o livro que Geraldes lia no banco do Sporting enquanto não começava um desses joguinhos da pré-temporada. 

O caso deu algum brado e fica a dúvida se o jogador terá sido emprestado pelo Sporting ao Rio Ave por não ter qualidade suficiente ou por estar a ler de chuteiras calçadas, ou por o título da obra ter sido entendido como provocatório. Ler é uma vantagem (e sempre será) mas a abstração que a leitura provoca não pode ser consentida a nenhum profissional de nenhuma profissão no momento em que as suas funções lhe exigem a maior concentração operacional. 

Ainda assim, como não simpatizar com o Xico Geraldes e com o Rio Ave?




Fonte: Leonor Pinhão @ correio da manha

Sem comentários: